segunda-feira, 26 de abril de 2010

Os trilhos e o trem passageiro


“Escuta o trem-de-ferro alegre a cantar,
Na reta da chegada da chegada pra descansar...”

Paralelos sinuosos, feito cobras brilhantes,
Rasgando a terra, a distância e o tempo.
Como estria sobre o cerrado,
Sobrevive, agora,
mineral
de fuligem e sal,
Na direção do sol nascente...
Foi poema, transportando sonhos;
Foi música, engolindo pessoas e afetos;
Foi canto longínquo, embalando almas e corações.
Enquanto longe ia, levava anseios
E quando vinha, trazia noticias e beijos dos de lá.
Levou tantas saudades e desacertos...
Trouxe tantos regressos e sorrisos!
Eram tempos do comboio-quase-moradia
E seus leitos sacolejantes,
Que nem colo de mãe ninando.
Saudades daqueles vagões azuis,
Convertidos em memórias lentas e perenes.

“Vem, morena, ouvir comigo esta cantiga.
Sair por esta vida aventureira...”

Vem, morena, misturar-se a esse turbilhão de pernas,
A essa multidão de braços ausentes de abraços,
A essas muitas mãos desfraldando despedidas,
A outras mãos que se derramam no calor do regresso.
Corpos suspensos nas janelas mínimas,
Por onde se descortina a trilha eterna dos trilhos.
Vem, morena, montar o cavalo de aço,
Mochila nas costas, calça jeans e botas...
Meu expresso suporta a mim, a você e a nossos sonhos.
Vem, morena!
Partilhar saudades e aventura não é fato novo.
Ouça o apito rasgando o vento.
Já é hora de partir, deslizar pelos trilhos,
Nesta trilha de ida, mas também de chegança.
Se achegue mais em mim! Façamos um trio!
Eu, você e os trilhos!
O estribilho é farfalhar de árvores,
Que são vultos, que são sombras, que são borrões
Dormentes no final da curva.
Não borre sua maquiagem!
Deixe que o tempo a desfaça na hora certa.
Agora é hora de ouvir a sinfonia (in)acabada... e sentir.
“Escuta o trem-de-ferro alegre a cantar,
Na reta da chegada pra descansar...
Tanta toada eu trago na viola,
Pra ver você mais feliz...”

Nenhum comentário: